Balança Comercial de 2022 e os principais parceiros comerciais do Brasil

A balança comercial é o resultado do desempenho de um país no comércio exterior, em sua relação com os outros países.

Ela não só apresenta dados sobre exportações e importações, mas também nos demonstra o panorama de aspectos internos, como valorização da moeda e demanda.

Por isso, conhecer os dados da balança comercial pode representar um diagnóstico da situação interna e externa da economia de um país.

Balança Comercial de 2022 e os principais parceiros comerciais do Brasil

Balança Comercial de 2022

Você sabe quais são os resultados da balança comercial de 2022 do Brasil?

A saber, a balança comercial é o resultado do desempenho de um país no comércio exterior, em sua relação com os outros países.

Ela não só apresenta dados sobre exportações e importações, mas também nos demonstra o panorama de aspectos internos, como valorização da moeda e demanda.

Por isso, conhecer os dados da balança comercial pode representar um diagnóstico da situação interna e externa da economia de um país.

Hoje vamos conferir os principais dados sobre a balança comercial de 2022, incluindo valores de exportações e importações, bem como produtos e principais parceiros comerciais.

Retrospectiva das importações brasileiras em 2022

Primeiramente, vamos começar com as importações brasileiras em 2022.

Os dados que veremos a seguir foram extraídos do ComexVis, portal do Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços (MDIC) com estatísticas do Comércio Exterior.

Nosso país importou, nesse período, US$ 272,7 bilhões. Esse foi não apenas o maior valor registrado desde 2011, como também representou um aumento de 24,3% em comparação a 2021.

Além disso, no valor mensal, o mês de agosto foi o maior destaque do ano e da série histórica, com US$ 26,7 bilhões importados. O valor foi 36,4% maior que o registrado em agosto de 2021.

Olhando para nossos estados, os principais importadores foram:

  • São Paulo: US$ 81,6 bilhões (29,9% de participação);
  • Santa Catarina: US$ 29 bilhões (10,6% de participação);
  • Rio de Janeiro: US$ 25,4 bilhões (9,3% de participação);
  • Paraná: US$ 22,4 bilhões (8,22% de participação);
  • Minas Gerais: US$ 17,6 bilhões (6,44% de participação).

Retrospectiva das exportações brasileiras em 2022

Em segundo lugar, vamos olhar para o papel das exportações brasileiras na balança comercial de 2022.

Entre janeiro e dezembro de 2022 exportamos US$ 334,4 bilhões, representando assim um crescimento de 24,3% em comparação a 2021.

Assim como nas importações, aqui também tivemos um recorde.

O valor anual foi o maior desde 2011 e as exportações em junho foram as maiores de série histórica, com US$ 32,7 bilhões exportados. O valor é 15,9% maior que o registrado em junho de 2021.

Ademais, na participação dos estados brasileiros, o top 5 foi:

  • São Paulo: US$ 69,4 bilhões (21% de participação);
  • Rio de Janeiro: US$ 44,3 bilhões (13,4% de participação);
  • Minas Gerais: US$ 40 bilhões (12,1% de participação);
  • Mato Grosso: US$ 32,4 bilhões (9,81% de participação); e
  • Rio Grande do Sul: US$ 22,4 bilhões (6,78% de participação).

Uma vez que temos os dados das importações e exportações brasileiras, podemos conferir os valores da balança comercial de 2022.

O Brasil finalizou o ano com um superávit de US$ 61,7 bilhões. Em outras palavras, a balança foi positiva, pois as exportações foram maiores que as importações.

Além disso, a soma de expo e impo representou uma corrente comercial de US$ 607,1 bilhões, 21,4% maior que a corrente de 2021.

Principais produtos importados pelo Brasil em 2022

Em terceiro lugar, vamos começar a olhar para os principais produtos da balança comercial em 2022.

De acordo com o ComexVis, os produtos brasileiros são divididos em 4 categorias: indústria de transformação, indústria extrativa, agropecuária e outros.

Essa classificação é uma das apresentadas pela International Standard Industrial Classification of All Economic Activities (ISIC) com o intuito de analisar estatísticas das atividades econômicas.

No caso das importações brasileiras, por exemplo, os valores de cada categoria são:

  • Indústria de transformação: US$ 242,6 bilhões (89%);
  • Indústria extrativa: US$ 22,1 bilhões (8,1%);
  • Agropecuária: US$ 5,7 bilhões (2,1%);
  • Outros produtos: US$ 2,3 bilhões (0,85%).

No que diz respeito aos produtos, conforme sua classificação individual, os de maior participação foram:

  • Adubos ou fertilizantes químicos (exceto fertilizantes brutos): US$ 24,7 bilhões (9,1% de participação)
  • Óleos combustíveis de petróleo ou de minerais betuminosos (exceto óleos brutos): US$ 23,6 bilhões (8,6% de participação);
  • Demais produtos da indústria de transformação: US$ 11,8 bilhões (4,3% de participação); e
  • Válvulas e tubos termiônicas, de cátodo frio ou foto-cátodo, diodos, transistores: US$ 11,5 bilhões (4,2% de participação).

Principais produtos exportados pelo Brasil em 2022

Agora veremos os principais produtos exportados pelo Brasil no ano de 2022. Assim como os dados que vimos na importação, a separação proposta pela ISIC para a exportação está dividida da seguinte maneira:

  • Indústria da transformação: US$ 181,4 bilhões (54% de participação);
  • Indústria extrativa: US$ 76,3 bilhões (23% de participação);
  • Agropecuária: US$ 75 bilhões (22% de participação); e
  • Outros produtos: US$ 1,75 bilhões (0,52% de participação).

Em seguida, olhemos para os produtos mais exportados pelo Brasil em 2022:

  • Soja: US$ 46,7 bilhões (14% de participação);
  • Óleos brutos de petróleo ou de minerais betuminosos, crus: US$ 42,7 bilhões (13% de participação);
  • Minério de ferro e seus concentrados: US$ 28,9 bilhões (8,6% de participação);
  • Óleos combustíveis de petróleo ou de minerais betuminosos (exceto óleos brutos): US$ 13 bilhões (3,9% de participação); e
  • Milho não moído, exceto milho doce: US$ 12,3 bilhões (3,7% de participação).

Parceiros comerciais do Brasil na importação em 2022

Por fim, vamos conhecer quais são os principais parceiros comerciais do Brasil, tanto na importação como na exportação.

Olhando primeiramente para a importação, a principal origem dos produtos comprados pelo Brasil é a China, com US$ 60,7 bilhões (22,3% de participação).

Do país asiático nós importamos, sobretudo:

  • Válvulas e tubos termiônicas, de cátodo frio ou foto-cátodo, diodos, transistores: US$ 7 bilhões (11% de participação);
  • Compostos organo-inorgânicos, compostos heterocíclicos, ácidos nucléicos e seus sais, e sulfonamidas: US$ 5 bilhões (8,2% de participação); e
  • Equipamentos de telecomunicação, incluindo peças e acessórios: US$ 4,1 bilhões (6,8% de participação).

Em segundo lugar, temos os Estados Unidos, dos quais importamos US$ 51,3 bilhões (18,8% de participação). Os principais produtos foram:

  • Óleos combustíveis de petróleo ou de minerais betuminosos (exceto óleos brutos): US$ 12,8 bilhões (25% de participação);
  • Motores e máquinas não elétricos, e suas partes (exceto motores de pistão e geradores): US$ 4,2 bilhões (8,2% de participação); e
  • Gás natural, liquefeito ou não: US$ 3,2 bilhões (6,2% de participação).

Por fim, fechando o top 3, está a Argentina, nosso país vizinho cujo valor de importação foi de US$ 13,1 bilhões (4,8% de participação).

Os principais produtos, a saber, foram:

  • Veículos automóveis para transporte de mercadorias e usos especiais: US$ 2,5 bilhões (19% de participação);
  • Veículos automóveis de passageiros: US$ 2 bilhões (16% de participação); e
  • Trigo e centeio, não moídos: US$ 1,61 bilhão (12% de participação).

Seguindo a lista depois desses três países, destacamos Alemanha (US$ 12,8 bilhões), Índia (US$ 8,9 bilhões), Rússia (US$ 7,9 bilhões) e Itália (US$ 5,6 bilhões).

Parceiros comerciais do Brasil na exportação em 2022

Quando olhamos para os principais parceiros comerciais do Brasil na exportação, o top 3 não muda. Os principais destinos de nossos produtos foram China, Estados Unidos e Argentina, assim como na importação.

A China recebeu US$ 89,7 bilhões em produtos brasileiros (26,8% de participação), entre os quais, principalmente:

  • Soja: US$ 31,8 bilhões (35% de participação);
  • Minério de ferro e seus concentrados: US$ 18,2 bilhões (20% de participação); e
  • Óleos brutos de petróleo ou de minerais betuminosos, crus: US$ 16,8 bilhões (19% de participação).

Os Estados Unidos, por sua vez, receberam US$ 37,4 bilhões de exportações brasileiras (11,2%), sendo, sobretudo:

  • Óleos brutos de petróleo ou de minerais betuminosos, crus: US$ 5 bilhões (13% de participação);
  • Produtos semiacabados, lingotes e outras formas primárias de ferro ou aço: US$ 4,5 bilhões (12% de participação); e
  • Aeronaves e outros equipamentos, incluindo suas partes: US$ 2,2 bilhões (5,8% de participação).

Ainda, para finalizar nosso ranking dos três principais parceiros comerciais do Brasil em 2022 na exportação, temos Argentina com US$ 15,3 bilhões (4,59% de participação).

Os principais produtos vendidos ao país vizinho foram:

  • Partes de acessórios dos veículos automotivos: US$ 1,63 bilhão (11% de participação);
  • Veículos automóveis de passageiros: US$ 1,53 bilhão (9,9% de participação); e
  • Demais produtos da indústria da transformação: US$ 691 milhões (4,5% de participação).

Além disso, outras participações expressivas foram de Países Baixos (US$ 11,9 bilhões), Espanha (US$ 9,8 bilhões), Chile (US$ 9,1 bilhões) e Singapura (US$ 8,3 bilhões).

Conte com a e.Mix para realizar suas importações e exportações em 2023!

Neste ano de 2023 você pode contar com a e.Mix para iniciar – ou aprimorar – suas importações e exportações.

Afinal, somos uma empresa com mais de 25 anos no mercado de desenvolvimento de software para Comex e criamos soluções inovadoras em tecnologia para aumentar seus resultados.

Como resultado, com nossos programas simples, funcionais e customizáveis, sua empresa poderá ter um ganho de 35% em produtividade.

Dessa forma, com eles, você poderá criar automações de tarefas de forma fácil e rápida, obtendo controle completo das etapas dos processos de sua empresa.

Conheça nosso site e entre em contato conosco para que possamos lhe apresentar nossas ferramentas e suas vantagens!

Cadastre-se para receber todos os artigos por e-mail em primeira mão

    Sugira um tema para publicarmos no blog

      Veja também
      Entreposto aduaneiro: O que é e como funciona e qual sua vigência?
      Entreposto aduaneiro: O que é e como funciona e qual sua vigência?

      De acordo com o Art. 404 do Regulamento Aduaneiro, o entreposto aduaneiro é definido como um regime especial que pode ser usado tanto na importação como na exportação. Ele serve para que as empresas possam armazenar suas mercadorias realizando a liberação junto à RFB com um prazo maior do que o habitual ou até efetuar a retirada das mercadorias de forma parcial. 

      Dessa maneira, o entreposto possibilita a suspensão dos impostos até que todas as etapas sejam finalizadas, no caso da importação e da exportação. Dependendo de cada caso, algumas das vantagens destes regimes estão na possibilidade de as empresas aprimorarem seus planejamentos logísticos e reduzirem os custos das operações. 

      Leia mais
      Purchase Order: o que é e qual seu papel na importação?
      Purchase Order: o que é e qual seu papel na importação?

      Basicamente, a purchase order na importação é o documento que inicia a formalização do processo de compra de um produto importado. É a autorização da compra ou a confirmação da encomenda pelo comprador. 

      O pedido de compra contém todas as informações pertinentes ao produto ou serviço que será entregue, e estabelece a relação comercial a partir da aceitação do fornecedor. 

      Leia mais
      Transporte Internacional Rodoviário para o Mercosul: quais as vantagens?
      Transporte Internacional Rodoviário para o Mercosul: quais as vantagens?

      A maior participação no Comércio Intrazona do Mercosul é a do Brasil, com cerca de 40%, vindo em seguida a Argentina com 30%, o Paraguai com 11% e o Uruguai com 8%. No momento atual, as exportações cresceram cerca de 16%, mantendo a expansão do comércio internacional fomentado pelo aumento da venda do trigo, do centeio, do arroz e do milho, fazendo com que as commodities continuem sendo o carro-chefe nas exportações nacionais. E a maior parte dos produtos transportados entre os países do bloco fazem uso do transporte internacional rodoviário.

      Leia mais