Exportar produtos: por onde começar a me preparar?

Exportar produtos promove à empresa desenvolvimento e crescimento, bem como melhora sua posição no mercado interno pois precisa necessariamente melhorar seus processos e passa a ser vista como uma fornecedora de qualidade e organizada. Além disso, a empresa qualifica seus recursos humanos e constrói uma cultura moderna e adaptável, sempre captando bons profissionais que buscam crescimento.

Exportar produtos: por onde começar a me preparar?

Exportando produtos: por onde começar?

O mercado brasileiro é um mercado potencial de consumo tanto para indústrias domésticas quanto internacionais. Isso acaba tornando a comercialização somente em âmbito nacional inegavelmente mais cômoda. No entanto, o mercado internacional proporciona às empresas novos modelos de consumo e padrões, ampliando a diversificação de sua marca e expansão de seus negócios caso ela decida exportar produtos.

Nesse sentido, a atual situação econômica da empresa é preponderante para iniciar exportações. Ou seja, fato é que é importante estar bem financeiramente para pensar em operar no mercado internacional e lidar com os riscos envolvidos.

Os benefícios da internacionalização são muitos, a partir do primeiro passo a empresa estará apta para se modernizar inovando produtos e procedimentos de acordo com diferentes mercados.

A partir da análise de potenciais clientes é possível portanto estabelecer um planejamento de como operacionalizar e finalmente estabelecer sua empresa e sua marca no exterior.

Para isso, é preciso conhecer os procedimentos necessários e como identificar o melhor mercado de atuação e todo o detalhamento que iremos tratar a seguir.

Por que devo exportar produtos?

Muitos países não possuem matéria-prima ou produtos fabricados em seu território, tendo que buscar fornecimento no exterior.

Exportar produtos promove à empresa desenvolvimento e crescimento, bem como melhora sua posição no mercado interno pois precisa necessariamente melhorar seus processos e passa a ser vista como uma fornecedora de qualidade e organizada.

Além disso, a empresa qualifica seus recursos humanos e constrói uma cultura moderna e adaptável, sempre captando bons profissionais que buscam crescimento.

De acordo com dados do Comex Stat, o crescimento nas exportações brasileiras posicionou o país com superávit de US$57.530,80 até novembro deste ano. O total de exportações somam US$308.362,20 enquanto as importações US$ 250.831,40.

O Brasil é reconhecido mundialmente por sua vasta riqueza em commodities. A soja vem sendo o produto mais exportado em 2022, seguido por óleo bruto de petróleo e minério de ferro.

Fonte: Comex Stat

Como sei se a minha empresa tem capacidade produtiva para exportar?

Analisar a capacidade produtiva é um ponto fundamental para exportar produtos. Mesmo que desenvolva uma produção específica para exportação, é preciso estar preparado para suprir a demanda e evitar colocar todo o planejamento em risco.

Analise se será necessário investimentos para ampliação de sua capacidade produtiva ou até mesmo criar uma forma de produção e processos internos.

Seus produtos deverão seguir a legislação do país alvo, por isso é bem comum a necessidade de alterações em embalagens, rótulos, testes etc.

Em alguns casos podem haver empréstimos ou financiamentos e, portanto, a empresa deve estar com as finanças em ordem, já que o retorno pode ser em médio ou até longo prazo.

O que preciso fazer para exportar?

A empresa que pretende exportar precisa atender às exigências da RFB (Receita Federal do Brasil), entre elas a habilitação no RADAR (Registro e Rastreamento da Atuação dos Intervenientes Aduaneiros) e acesso ao Siscomex.

Após a autorização para atuar no comércio exterior, existem outros procedimentos burocráticos que devem ser atendidos, principalmente relacionados a questões documentais.

Os principais documentos que fazem parte da operação são: Fatura Comercial (Commercial Invoice), Packing List, DU-E (Declaração Única de Exportação), Conhecimento de Embarque, seguro internacional, certificado de origem e contrato de câmbio.

Outro ponto diz respeito ao preço de exportação do seu produto, ele poderá ser definido a partir do que já é aplicado no mercado internacional por empresas que já atuam lá ou de acordo com a mercadoria, como no caso de itens exóticos, raros ou customizados.

5 dicas para começar a exportar seus produtos

Para cada mercado ou produto existem diferentes aspectos a serem analisados, como por exemplo os trâmites logísticos.

Na negociação deve-se verificar sobre a responsabilidade do frete internacional e os riscos, para isso o exportador precisa conhecer sobre INCOTERMS e suas responsabilidades.

Assim será possível criar um fluxo operacional que inclua follow-up, evitando falhas e custos extras no processo.

Invista em pesquisa de mercado

Conhecer o mercado destino é essencial ao exportar produtos. É a base para iniciar sua operação, não somente pela questão de consumo, mas também pela possível necessidade de adequação à legislação.

Muitos produtos possuem exigências sanitárias, segurança, sustentabilidade etc., tanto no Brasil quanto no país que irá importar.

Participação em feiras ou rodadas de negócios internacionais são recomendadas para essa fase inicial.

Com a pesquisa de mercado sua empresa terá visibilidade da concorrência que já atua em determinado país, preços aplicados, prazos de pagamento e qualidade, podendo avaliar se seu produto será competitivo.

Escolha um país para testar

Inicie sua operação em mercados mais fáceis de operar e que podem ter acordos comerciais com o Brasil, pois isso facilita as transações.

Além disso, ao exportar produtos, avalie também questões sustentáveis do país, pois a depender do destino e produto existem padrões técnicos exigidos.

Alguns países exigem padrões específicos para determinados produtos, o que poderá variar inclusive culturalmente.

Escolha seu mix de produtos e garanta as certificações necessárias para exportar

Determine os produtos que possuem maior aceitação no mercado internacional e faça as adequações necessárias na sua exportação.

Alguns produtos possuem exigências específicas para determinados órgãos anuentes como:

  • MAPA (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento);
  • ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária);
  • INMETRO (Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia);
  • IBAMA (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis).

O mix de produtos inicial determinará a entrada da sua empresa no mercado global, portanto, a definição deve ser criteriosa e assertiva. Qualquer problema que surgir poderá impactar na credibilidade em futuras negociações.

Pesquise sobre os incentivos fiscais

Existem alguns benefícios fiscais para exportadores que fomentam a competitividade no mercado internacional, como por exemplo o Drawback.

Esse benefício pode inclusive isentar tributos aduaneiros reduzindo consideravelmente o preço dos produtos ao exportar.

Entenda sobre os métodos de pagamento internacional

A negociação da forma de pagamento envolve análise de risco para o importador e exportador.

Os métodos de pagamentos são:

  • Pagamento Antecipado: o importador deve pagar pela mercadoria antes do embarque, essa modalidade garante ao exportador brasileiro que não haverá riscos financeiros;
  • Carta de Crédito: modalidade mais viável para ambas as partes em relação aos riscos. Apesar do alto custo, garante ao importador o recebimento da mercadoria e ao exportador o recebimento do pagamento;
  • Cobrança Documentária: a documentação é enviada aos bancos das empresas e após validação será efetuado o pagamento.

Também poderá ocorrer uma parte do pagamento antecipada e o saldo no ato do embarque.

Com as soluções da e.Mix fica mais fácil de exportar

O comércio exterior possui uma ampla cadeia de serviços com diversas etapas que devem ser cumpridas a fim de que se garanta o sucesso da operação.

Assim, além dos trâmites aduaneiros, o exportador deve monitorar e controlar seu fluxo operacional de maneira segura e de qualidade.

A e.Mix atua na automatização e gestão de seus processos garantindo informação ágil e gerencial.

Oferecemos soluções inovadoras e tecnológicas simples e funcionais com foco em aumento de produtividade e melhorias.

Com mais de 25 anos no mercado, contamos com profissionais altamente capacitados para desenvolver as melhores soluções para seu negócio garantindo confiabilidade e assertividade na sua operação.

Entre em contato e saiba como operar suas exportações de forma simples e eficaz.

Cadastre-se para receber todos os artigos por e-mail em primeira mão

    Sugira um tema para publicarmos no blog

      Veja também
      Entreposto aduaneiro: O que é e como funciona e qual sua vigência?
      Entreposto aduaneiro: O que é e como funciona e qual sua vigência?

      De acordo com o Art. 404 do Regulamento Aduaneiro, o entreposto aduaneiro é definido como um regime especial que pode ser usado tanto na importação como na exportação. Ele serve para que as empresas possam armazenar suas mercadorias realizando a liberação junto à RFB com um prazo maior do que o habitual ou até efetuar a retirada das mercadorias de forma parcial. 

      Dessa maneira, o entreposto possibilita a suspensão dos impostos até que todas as etapas sejam finalizadas, no caso da importação e da exportação. Dependendo de cada caso, algumas das vantagens destes regimes estão na possibilidade de as empresas aprimorarem seus planejamentos logísticos e reduzirem os custos das operações. 

      Leia mais
      Purchase Order: o que é e qual seu papel na importação?
      Purchase Order: o que é e qual seu papel na importação?

      Basicamente, a purchase order na importação é o documento que inicia a formalização do processo de compra de um produto importado. É a autorização da compra ou a confirmação da encomenda pelo comprador. 

      O pedido de compra contém todas as informações pertinentes ao produto ou serviço que será entregue, e estabelece a relação comercial a partir da aceitação do fornecedor. 

      Leia mais
      Transporte Internacional Rodoviário para o Mercosul: quais as vantagens?
      Transporte Internacional Rodoviário para o Mercosul: quais as vantagens?

      A maior participação no Comércio Intrazona do Mercosul é a do Brasil, com cerca de 40%, vindo em seguida a Argentina com 30%, o Paraguai com 11% e o Uruguai com 8%. No momento atual, as exportações cresceram cerca de 16%, mantendo a expansão do comércio internacional fomentado pelo aumento da venda do trigo, do centeio, do arroz e do milho, fazendo com que as commodities continuem sendo o carro-chefe nas exportações nacionais. E a maior parte dos produtos transportados entre os países do bloco fazem uso do transporte internacional rodoviário.

      Leia mais