Controle administrativo das importações

O controle administrativo das importações é, atualmente, realizado por meio da Licença de Importação (LI), sujeita à anuência de órgãos governamentais. Atualmente, as importações nacionais […]

Controle administrativo das importações

O controle administrativo das importações é, atualmente, realizado por meio da Licença de Importação (LI), sujeita à anuência de órgãos governamentais.

Atualmente, as importações nacionais estão dispensadas de licenciamento, exceto em ocasiões em que estão sujeitas aos tratamentos de Licenciamento Automático, Licenciamento Não-Automático ou Impedimento. Desta maneira, devem os importadores, quando dispensados, tomar medidas no intuito de providenciar o registro da Declaração de Importação (DI) no Siscomex, para dar início aos procedimentos de Despacho Aduaneiro junto à Receita Federal do Brasil (RFB).

Enquadramento da carga: tratamento administrativo

Com base no enquadramento da carga definido pelo NCM/SH, o licenciamento pode ocorrer automaticamente. No entanto, para as operações sujeitas a controle prévio ou ao cumprimento de condições especiais, deverá o importador obter o correspondente Licenciamento da Importação (LI), mediante registro efetuado no Siscomex.

Existem também situações em que o licenciamento não é automático. Nesses casos, o importador tem conhecimento de antemão, por meio do Sistema de Tratamento Administrativo do Siscomex, sobre quais documentos serão necessários e quais órgãos serão responsáveis pelo exame prévio do licenciamento não automático. O importador deve registrar no Siscomex as informações comerciais, financeiras, cambiais e fiscais da operação. Somente com a DI processada o despacho aduaneiro poderá ser realizado.

Nesse processo, mais de um órgão pode ser envolvido na fiscalização, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), por exemplo, é responsável pelo controle sanitário, dessa maneira, toda carga com NCM/SH que se enquadre nessa categoria precisa da liberação da Agência. Durante o processo de fiscalização, checagens adicionais podem ocorrer e resultar no armazenamento da carga.

DUIMP: Portal Único de Comércio Exterior

Em 1º de outubro de 2018, foi iniciada a implementação do Projeto-Piloto do Novo Processo de Importação, a DUIMP. Na primeira fase das entregas contempladas, os processos de importação envolvendo mercadorias ou qualquer modalidade de controle administrativo, não poderão ser registrados via DUIMP, fazendo com que o importador recorra ao sistema de DI/LI.

O que não está liberado na DUIMP?

• Importação de itens de segunda mão;

• Importação de bens novos sujeitos a exame de similaridade;

• Importações de produtos que possuem cota tarifária devido a Acordos no âmbito da ALADI;

• Importações de produtos sujeitos a cotas tarifárias ao amparo das Resoluções da Câmara de Comércio Exterior (CAMEX);

• Importações de produtos que se enquadram nos códigos NCM/valores de atributos contidos nesta tabela.

Como automatizar a gestão das etapas de importação?

Como gerenciar tantas etapas referentes ao tratamento administrativo? Quando a empresa é pequena, o processo de verificação manual pelo Siscomex pode não ser um processo tão crítico, mas para empresas que importam grandes volumes, verificar DIs e acompanhar o vencimento de LIs manualmente e individualmente pode resultar em alguma falha no processo e cobranças indevidas.

A e.Mix desenvolveu o FollowNet One, software que permite acompanhar o trânsito das cargas em tempo real, permitindo aos usuários configurar alertas para etapas consideradas críticas durante o processo de desembaraço e fiscalização.

O FollowNet One  apresenta um amplo e facilitado controle de vencimento de LIs e permite a realização de ações como:

• Atualização automática de status, conforme as atualizações dos órgãos anuentes;

• Impressão de extratos das LIs;

• Recuperação dos dados diretamente do Siscomex;

• Geração de relatórios e avisos automáticos de vencimento ou a cada mudança de status;

• Uso de ferramenta de BI integrada no software com análise imediata das métricas relacionadas à importação das LIs, permitindo uma tomada de decisão antecipada e mais assertiva.

Além disso, o FollowNet One pode ser configurado para acompanhar qualquer outra informação disponível no Siscomex que seja pertinente aos processos internos e particularidades do importador. Trata-se de um software web modular, o que permite que seja personalizado de maneira rápida e  sem custos elevados.

Quais funcionalidades estão disponíveis no FollowNet One?

Todos os seus dados em um único lugar

A Ferramenta de Business Intelligence do coleta, organiza e transforma os dados de sua empresa em dashboards avançados, onde é possível agrupar dados externos com informações internas para acompanhar em tempo real as tendências do mercado.

Relatórios personalizados

No FollowNet One você escolhe quais dados quer visualizar, afinal, os dashboards são personalizáveis. É possível criar templates de maneira rápida e salvá-los, assim você pode revisitar e reutilizar o mesmo layout de análise sempre que houver necessidade.

Monte apresentações personalizadas

Não apenas o FollowNet One otimiza o seu tempo organizando os dados de sua empresa em dashboards, mas permite que você monte apresentações com as informações armazenadas no software. Resumindo: sabe aquele KPI que você tem o maior trabalho para montar toda semana? O FollowNet One monta para você!

Análises em tempo real

Ter acesso a uma ferramenta de Business Intelligence que ajuda a criar dashboards personalizáveis é, sem dúvida, um diferencial do FollowNet One, mas não podemos deixar de mencionar a praticidade que esse software oferece na sincronização de dados em tempo real. É possível integrar o FollowNet One com qualquer plataforma, em qualquer segmento. O FollowNet One é um software de controle e gerenciamento de processos completo, que disponibiliza em um só lugar todas as ferramentas necessárias para a tomada de decisão.

Sobre a e-Mix

A e.Mix possui mais de anos de experiência em Comércio Exterior. Nossa missão é contribuir para o sucesso com soluções inovadoras, transformando vidas e fortalecendo as relações. Conheça mais sobre nossos serviços em nosso site!

 

Cadastre-se para receber todos os artigos por e-mail em primeira mão

    Sugira um tema para publicarmos no blog

      Veja também
      Entreposto aduaneiro: O que é e como funciona e qual sua vigência?
      Entreposto aduaneiro: O que é e como funciona e qual sua vigência?

      De acordo com o Art. 404 do Regulamento Aduaneiro, o entreposto aduaneiro é definido como um regime especial que pode ser usado tanto na importação como na exportação. Ele serve para que as empresas possam armazenar suas mercadorias realizando a liberação junto à RFB com um prazo maior do que o habitual ou até efetuar a retirada das mercadorias de forma parcial. 

      Dessa maneira, o entreposto possibilita a suspensão dos impostos até que todas as etapas sejam finalizadas, no caso da importação e da exportação. Dependendo de cada caso, algumas das vantagens destes regimes estão na possibilidade de as empresas aprimorarem seus planejamentos logísticos e reduzirem os custos das operações. 

      Leia mais
      Purchase Order: o que é e qual seu papel na importação?
      Purchase Order: o que é e qual seu papel na importação?

      Basicamente, a purchase order na importação é o documento que inicia a formalização do processo de compra de um produto importado. É a autorização da compra ou a confirmação da encomenda pelo comprador. 

      O pedido de compra contém todas as informações pertinentes ao produto ou serviço que será entregue, e estabelece a relação comercial a partir da aceitação do fornecedor. 

      Leia mais
      Transporte Internacional Rodoviário para o Mercosul: quais as vantagens?
      Transporte Internacional Rodoviário para o Mercosul: quais as vantagens?

      A maior participação no Comércio Intrazona do Mercosul é a do Brasil, com cerca de 40%, vindo em seguida a Argentina com 30%, o Paraguai com 11% e o Uruguai com 8%. No momento atual, as exportações cresceram cerca de 16%, mantendo a expansão do comércio internacional fomentado pelo aumento da venda do trigo, do centeio, do arroz e do milho, fazendo com que as commodities continuem sendo o carro-chefe nas exportações nacionais. E a maior parte dos produtos transportados entre os países do bloco fazem uso do transporte internacional rodoviário.

      Leia mais