Transporte nacional de cargas: 3 dicas para a sua gestão logística

Segundo o DENATRAN (Departamento Nacional de Trânsito), os veículos utilizados para o transporte nacional de cargas são diversos e, além disso, estão subdivididos em três grandes grupos: transporte de cargas, serviços e transporte de pessoas.

Vale salientar que é necessário que o gestor de transportes saiba qual será o tipo de veículo de carga adequado para a realização de cada tarefa, pois, assim, conseguirá dimensionar o tamanho da frota que será utilizada, bem como fará a cobrança correta pelo frete executado.

Acima de tudo, deve-se atentar para a capacidade dos veículos destinados ao transporte nacional de cargas, de acordo com as regras especificadas pela ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres), inclusive a de manter o registro específico do veículo no RNTRC (Registro Nacional de Transportadores Rodoviários de Cargas).

Transporte nacional de cargas: 3 dicas para a sua gestão logística

3 dicas para a sua gestão logística de carga nacional

A gestão logística é essencial para garantir a lucratividade de uma empresa, independentemente do seu segmento. Desse modo, com base nas melhores práticas do mercado, elaboramos um artigo repleto de detalhes sobre como gerir operações logísticas e sobre realizar um bom trabalho de gerenciamento do transporte nacional de cargas.

Por isso, leia o artigo até o final e surpreenda-se. Boa leitura!

Quais os tipos de veículos utilizados no transporte nacional de cargas?

Segundo o DENATRAN (Departamento Nacional de Trânsito), os veículos utilizados para o transporte nacional de cargas são diversos e, além disso, estão subdivididos em três grandes grupos: transporte de cargas, serviços e transporte de pessoas.

Vale salientar que é necessário que o gestor de transportes saiba qual será o tipo de veículo de carga adequado para a realização de cada tarefa, pois, assim, conseguirá dimensionar o tamanho da frota que será utilizada, bem como fará a cobrança correta pelo frete executado.

Acima de tudo, deve-se atentar para a capacidade dos veículos destinados ao transporte nacional de cargas, de acordo com as regras especificadas pela ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres), inclusive a de manter o registro específico do veículo no RNTRC (Registro Nacional de Transportadores Rodoviários de Cargas).

Nesse sentido, vejamos alguns desses veículos utilizados para o transporte de cargas. São eles:

  • caminhão: veículo automotor, com carroceria e peso acima de 3.500kg;
  • carreta: destinado a tracionar ou arrastar outro veículo;
  • reboque: engate para outro veículo;
  • caminhão VUC: destinado a rodar pelas áreas urbanas para cargas ou mudanças;
  • bitrem: com 4 eixos, utilizado para cargas pesadas com capacidade de 22.000kg.

Qual a importância da Agência Nacional de Transporte Terrestre?

A ANTT tem como finalidade principal ser a instituição federal que regulariza e fiscaliza os serviços de transporte nacional de cargas ou de pessoas, pelas rodovias brasileiras. Portanto, esse é o órgão responsável por monitorar e fiscalizar as tarefas realizadas nas movimentações deste segmento do mercado.

Ou seja, a ANTT tem uma grande importância no incentivo da segurança no trânsito brasileiro, efetuando a verificação do peso das cargas, o sistema de freio dos veículos e possibilitando a redução de acidentes nas estradas.

Por que focar em KPI na gestão do transporte nacional de cargas?

É essencial focar nos indicadores para o transporte nacional de cargas, afinal, as métricas são fundamentais para auxiliar os gestores de transporte na verificação da qualidade dos serviços prestados com a distribuição das mercadorias.

Isso porque com a utilização de KPIs (Key Performance Indicators) será possível avaliar qual é o desempenho na realização das tarefas pertinentes a este setor do mercado, que por sinal é cada vez mais exigente com entregas pontuais, livre de erros ou danos.

Veja a seguir alguns desses indicadores importantes para o controle das atividades. O objetivo deles é, em resumo, alcançar maior crescimento do negócio, além de se destacar no nicho perante os concorrentes. São eles:

  • on-time & in-full (OTIF): também conhecido como “pedido perfeito”, mensura o nível das entregas;
  • on-time delivery (OTD): indicador que mostra o percentual de entregas sem atrasos;
  • order cycle time (OCT): indica o Tempo de Ciclo do Pedido total que consolida a encomenda;
  • custo do transporte: mostra os gastos encaixados na receita do negócio;
  • nível médio de estoque: avalia os dias que a empresa funciona com determinado estoque.

3 dicas para gerenciar o fluxo de transporte nacional de cargas

Quer obter lucros com o seu negócio e aumentar o sucesso das suas entregas, mantendo o seu cliente fiel e satisfeito?

Então siga as nossas dicas e transforme a forma de realizar as suas entregas de um jeito mais positivo e impactante para o consumidor final.

Mapeie e padronize processos

É importante dar a atenção necessária para o uso de metodologias que auxiliarão na gestão dos processos, como, por exemplo, o uso da notação BPMN (Business Process Modeling Notation).

Em síntese, esse é um método para modelagem visual de processos, por meio de uma padronização fácil e autoexplicativa.

A BPMN é muito útil, portanto, para descrever a lógica de processos que contam com muitas etapas. Nesse sentido, é uma metodologia ideal para a gestão de processos logísticos, inclusive para o transporte nacional de cargas. A maior vantagem em aderir à modelagem de processos por meio de BPMN é a possibilidade de uma visão gráfica que abranja todo o processo.

Muitas empresas que aderiram a essa prática notaram agilidade no trabalho em equipe e melhorias nos processos, pois a ferramenta permite a rápida identificação de problemas servindo de instrumento para uma gestão inteligente e eficaz.

Não abra mão do plano de risco

O plano de risco deve contemplar aqueles aos quais a empresa está exposta e uma série de estratégias para a prevenção ou mitigação deles. Em síntese, o plano de risco é um documento que contempla o diagnóstico da empresa em relação aos riscos atrelados a um cronograma de adequação, que usualmente é gerido pelo time de Qualidade.

Dentre as boas práticas encontradas no mercado estão as matrizes SWOT, FMEA e os diagramas 5W2H e Pareto.

Todas essas metodologias são instrumentos que facilitam a gestão do negócio e, além disso, apoiam a tomada de decisão com o objetivo de alcançar os melhores resultados possíveis.

No cenário logístico, os riscos mais graves são os acidentes de percurso e o transporte de cargas perigosas, que podem ser inflamáveis ou corrosivas. Sob a perspectiva dos riscos menores podemos citar os atrasos nas entregas de mercadorias e as multas.

Use a tecnologia a seu favor

Os benefícios do uso da tecnologia na gestão do transporte nacional de cargas são muitos, pois eles irão auxiliar na otimização dos processos, agilizando a realização das tarefas e facilitando o próprio controle do negócio. Assim, essas vantagens são inevitavelmente repassadas para o cliente, por meio de um serviço prestado com eficácia e maior qualidade.

Conheça as soluções logísticas da e.Mix

Com a e.Mix suas tarefas passarão a ser automatizadas, ganhando em produtividade a partir da melhoria dos seus processos e no desempenho da sua equipe.

Isso será possível a partir de softwares muito flexíveis que transformarão a sua forma de trabalho, com o controle completo das etapas da sua empresa.

Além disso, nossas dashboards trazem maior visibilidade aos setores, clientes internos e externos, de uma forma bem fácil e ágil.

Por fim, nosso time de especialistas se dedicará para a melhor implementação, análise e melhoria constante das soluções escolhidas para a realidade da sua demanda, por meio de um acompanhamento regular.

Crie automatizações incríveis e fáceis para os seus processos com a aplicação de novas performances que irão trazer maior assertividade para a gestão empresarial.

Cadastre-se para receber todos os artigos por e-mail em primeira mão

    Sugira um tema para publicarmos no blog

      Veja também
      Como preparar sua empresa para auditorias aduaneiras
      Como preparar sua empresa para auditorias aduaneiras

      Auditorias aduaneiras são uma realidade inevitável para empresas envolvidas em atividades de importação e exportação. Estas inspeções são essenciais para garantir a conformidade com as […]

      Leia mais
      Entreposto aduaneiro: O que é e como funciona e qual sua vigência?
      Entreposto aduaneiro: O que é e como funciona e qual sua vigência?

      De acordo com o Art. 404 do Regulamento Aduaneiro, o entreposto aduaneiro é definido como um regime especial que pode ser usado tanto na importação como na exportação. Ele serve para que as empresas possam armazenar suas mercadorias realizando a liberação junto à RFB com um prazo maior do que o habitual ou até efetuar a retirada das mercadorias de forma parcial. 

      Dessa maneira, o entreposto possibilita a suspensão dos impostos até que todas as etapas sejam finalizadas, no caso da importação e da exportação. Dependendo de cada caso, algumas das vantagens destes regimes estão na possibilidade de as empresas aprimorarem seus planejamentos logísticos e reduzirem os custos das operações. 

      Leia mais
      Purchase Order: o que é e qual seu papel na importação?
      Purchase Order: o que é e qual seu papel na importação?

      Basicamente, a purchase order na importação é o documento que inicia a formalização do processo de compra de um produto importado. É a autorização da compra ou a confirmação da encomenda pelo comprador. 

      O pedido de compra contém todas as informações pertinentes ao produto ou serviço que será entregue, e estabelece a relação comercial a partir da aceitação do fornecedor. 

      Leia mais