Volatilidade cambial nas negociações internacionais: qual sua influência?

O câmbio é o principal fator analisado quando se trata de comercialização de bens de consumo e, assim, interfere diretamente nos fluxos de importação e de exportação.

No caso brasileiro, essa foi apontada como uma das causas pelas quais a indústria nacional não obtinha o mesmo destaque. Não se podia dizer o mesmo para países como China e Estados Unidos. Esse destaque era resultado do fenômeno “guerra cambial” – situação na qual os países utilizavam do câmbio valorizado ou desvalorizado para poder exportar mais, refletindo assim diretamente nas negociações internacionais. 

Volatilidade cambial nas negociações internacionais: qual sua influência?

A influência da volatilidade da moeda nas negociações internacionais

No âmbito da volatilidade cambial nas negociações internacionais, a troca de mercadorias e serviços entre países depende de fatores econômicos e políticos.

Para que uma transação ocorra de forma bem sucedida é necessário que, além das esferas operacional e logística, as partes financeira e cambial sejam estratégicas e funcionais. Assim, um conhecimento aprofundado em relação à taxa de câmbio e volatilidade da moeda é necessário.

Desse modo, preparamos um artigo para introduzir esse tema e tirar suas dúvidas.

Qual é a moeda de referência nas negociações internacionais?

O dólar americano é a moeda aceita mundialmente, pois conta com uma alta confiabilidade por parte dos investidores. Ele é, portanto, uma opção viável para o comércio entre as nações.

Desde o período pós-segunda guerra mundial o dólar vem se tornando cada vez mais forte e um fato que aumenta sua relevância é que os países possuem reservas em dólar. Existe uma dependência internacional diante da moeda, principalmente por ser forte e segura.

No imediato pós-guerra, o acordo de Bretton Woods com medidas de reestruturação da economia mundial promoveu o que ficou conhecido como padrão dólar-ouro. Assim, esse novo padrão seria um novo lastro para a economia mundial se basear no dólar ao invés do ouro, com isso se viu a ampla utilização do dólar em transações internacionais.

Nesse mesmo acordo houve a criação do Fundo Monetário Internacional e do Banco Mundial, ambos criados com o intuito de desenvolvimento econômico dos países emergentes e pautados no reconhecimento do dólar como moeda corrente internacional para transações.

O que é volatilidade cambial?

Em resumo, a taxa de câmbio é o valor que se dá pela troca de uma moeda por outra. Em contrapartida, a volatilidade cambial reage e influencia as relações econômicas e políticas nas negociações internacionais. Essa volatilidade pode ocorrer por medidas econômicas, como a alteração da taxa de juros – o que estimula ou desestimula o consumo – ou por efeitos decorrentes de políticas internacionais.

Além disso, os índices de oferta e demanda podem fazer com que o valor da taxa de câmbio seja valorizada ou depreciada, afetando a volatilidade nas negociações internacionais.

Muitos fatores podem influenciar essas alterações, em situações de grande inflação interna os governos implementam medidas de contenção como, por exemplo, os bancos centrais buscam medidas de austeridade que controlem essa inflação e interferem na atividade econômica. Assim, o reflexo desse ato retorna parcialmente no balanço do câmbio em relação às moedas estrangeiras.

No meio internacional, podemos citar que existem regimes cambiais diferentes, a saber:

  • Câmbio fixo: É controlado pelo governo e fixo em relação à moeda estrangeira. Em resumo, tem o objetivo de manter certa previsibilidade de mercado.
  • Banda cambial: É quando o câmbio é parcialmente controlado pela autoridade monetária. O câmbio pode variar, todavia, em uma faixa limitada de oscilação.
  • Câmbio flutuante: Este é o modelo mais utilizado na atualidade. O Banco Central pode utilizar de políticas monetárias e fiscais para tentar reduzir a oscilação do câmbio, contudo, o meio internacional e questões políticas atingem diretamente a taxa de câmbio.

Mercado cambial brasileiro

Desde 1990 no governo de Fernando Collor ocorreu a desregulamentação do mercado cambial brasileiro. Como resultado o mercado passou a ser autorregulado, ou seja, o Banco Central passou a ter menos controle – o que gerava maior impacto era a lei de oferta e demanda.

Atualmente, existem os mercados primário e secundário. O primário é destinado a instituições financeiras, permitidas pelo Banco Central a operar nessa modalidade. Em contrapartida, o secundário é destinado a transações financeiras de importação e exportação e transações financeiras de pessoas físicas.

O Brasil possui regime cambial flutuante, ou seja, não possuímos uma taxa fixa para compra de moeda internacional. Contudo, possuímos o câmbio comercial e o de turismo. O país também busca propor metas de superávit e políticas econômicas para equilibrar a balança cambial.

No câmbio flutuante é o país que define a taxa de câmbio. Dentre os fatores utilizados para a formação do câmbio, temos a taxa de juros, a inflação e a relação com a taxa de desemprego, políticas fiscais e monetárias além dos níveis de importação e exportação.

Fatores do macroambiente que influenciam na volatilidade cambial

A volatilidade cambial mede as incertezas do mercado futuro e o grau de oscilação dos preços no mercado de câmbio e nas negociações internacionais.

Na economia brasileira, o câmbio é controlado e regulamentado pelo Banco Central. Portanto, os principais fatores que influenciam a volatilidade cambial são a oferta monetária, a recessão, problemas econômicos e políticos como o aumento da taxa de juros e inflação além de fuga de capitais estrangeiros.

Muitas empresas buscam a proteção das oscilações cambiais por meio de produtos financeiros específicos categorizados como trava de câmbio. O mais conhecido é o hedge cambial.

Fatores econômicos

Os fatores econômicos refletem diretamente na taxa de volatilidade cambial. Entretanto, o Banco Central utiliza a taxa Selic para atrair investimento financeiro estrangeiro. Com isso, em uma situação em que o dólar está em queda, é possível valorizar o real e insumos que são comprados em dólares ficam mais baratos e isso temporariamente pode levar a uma queda na inflação.

As práticas comerciais e políticas de um país também afetam diretamente as importações e exportações. Quando a balança comercial se encontra em déficit, a demanda pela moeda estrangeira é maior do que a ofertada internamente.

A dívida pública nacional influencia na entrada de capital externo, afinal, quando o país é visto como inadimplente isso de certa forma repele os investimentos internacionais.

Fatores políticos

Crises no cenário político resultam em especulação financeira e o resultado pode ser positivo ou negativo para o mercado.

Em uma situação de aumento de capital estrangeiro, por exemplo, aumenta a futura emissão de títulos públicos e consequentemente a inflação e os juros domésticos. Muitas vezes o equilíbrio nas exportações pode causar um desequilíbrio na economia doméstica.

O mesmo ocorre em situações em que a política cambial de um país afeta a economia de outro. Como no caso das exportações chinesas para os Estados Unidos que resultou em uma guerra cambial.

Breaking News

As famosas breaking news certamente são responsáveis por certos níveis de oscilação na moeda. Isso porque são notícias de última hora transmitidas em veículos de massa que atingem grande parte da população e estremecem a mídia.

Nota-se com isso que o comportamento humano em relação a eventos do meio internacional também afetam a volatilidade das moedas nas negociações internacionais.

Como a volatilidade cambial pode impactar nas negociações internacionais?

O câmbio é o principal fator analisado quando se trata de comercialização de bens de consumo e, assim, interfere diretamente nos fluxos de importação e de exportação.

No caso brasileiro, essa foi apontada como uma das causas pelas quais a indústria nacional não obtinha o mesmo destaque. Não se podia dizer o mesmo para países como China e Estados Unidos. Esse destaque era resultado do fenômeno “guerra cambial” – situação na qual os países utilizavam do câmbio valorizado ou desvalorizado para poder exportar mais, refletindo assim diretamente nas negociações internacionais.

Simplifique a rotina do comércio exterior com a e.Mix

A e.Mix é especializada em serviços voltados para automação dos processos de sua empresa. Desde o gerenciamento de contêineres, evitando perda de prazos, até o gerenciamento de certificados e faturas de forma fácil e integrada em uma única plataforma.

Opte pela melhor, aquela que entrega o que sua empresa precisa de forma rápida e com excelência!

Veja também
Sua empresa está realmente adaptada ao novo Catálogo de Produtos?
Sua empresa está realmente adaptada ao novo Catálogo de Produtos?

Se a sua empresa ainda não está adaptada a mudança do novo Catálogo de Produtos, você corre o risco de enfrentar complicações regulatórias, atrasos e custos adicionais.

A nova exigência do Catálogo de Produtos visa a eficiência e a conformidade das operações de importação. Ao integrar este módulo ao Portal Único Siscomex, o governo busca simplificar os processos comerciais e aumentar a transparência das operações. Isso impacta diretamente na maneira como as empresas interagem com os órgãos de controle e gestão aduaneira.

Se sua empresa não se adaptar rapidamente, poderá enfrentar desafios significativos, como multas, atrasos na liberação de mercadorias e um aumento nos custos operacionais devido à necessidade de retrabalho. Agora é o momento de agir e garantir que sua empresa esteja pronta para essa transformação, evitando complicações futuras e se posicionando como líder no mercado de comércio exterior.

Leia mais
Gestão de relacionamento com fornecedores: estratégias para construir parcerias duradouras
Gestão de relacionamento com fornecedores: estratégias para construir parcerias duradouras

O sucesso de uma empresa depende da qualidade e da eficiência de suas relações com fornecedores. A gestão de relacionamento com fornecedores não é apenas sobre negociar contratos; é também sobre construir parcerias estratégicas que impulsionam o crescimento mútuo e a sustentabilidade a longo prazo. Para qualquer empresa, desenvolver um sistema robusto para gerenciar essas relações é crucial para manter a competitividade e garantir a qualidade dos produtos importados.

Neste artigo, exploraremos estratégias fundamentais para fortalecer o relacionamento com fornecedores. Vamos discutir como a adoção de uma abordagem proativa pode transformar a gestão de fornecedores em um diferencial competitivo para sua empresa no mercado global.

Leia mais
Como preparar sua empresa para auditorias aduaneiras
Como preparar sua empresa para auditorias aduaneiras

Auditorias aduaneiras são uma realidade inevitável para empresas envolvidas em atividades de importação e exportação. Estas inspeções são essenciais para garantir a conformidade com as leis e regulamentos locais e internacionais. Ser pego despreparado durante uma auditoria aduaneira pode resultar em penalidades significativas, atrasos nas operações e danos à reputação da empresa. Portanto, estar bem preparado não é apenas uma medida de precaução; é uma estratégia crucial para manter a eficiência e a integridade dos negócios.

Este artigo detalha como as empresas podem se antecipar, se preparando para enfrentar auditorias aduaneiras com confiança. Desde compreender o que esperar em uma auditoria até implementar sistemas robustos de documentação e treinamento de equipe, exploraremos as melhores práticas que ajudam a garantir que sua empresa esteja sempre pronta para demonstrar sua conformidade. Ao adotar uma abordagem proativa ao manter dados e documentos organizados, as empresas podem transformar auditorias aduaneiras de potenciais ameaças em oportunidades para reafirmar seu compromisso com a excelência operacional.

Leia mais