O que se aprende com o encalhe do navio Ever Given?

De acordo com a Inchcape Shipping Services, o navio Ever Given, encalhado no Canal de Suez no último mês e liberado após seis dias de […]

O que se aprende com o encalhe do navio Ever Given?

De acordo com a Inchcape Shipping Services, o navio Ever Given, encalhado no Canal de Suez no último mês e liberado após seis dias de espera, precisou contar com a ajuda de equipes de resgate para retornar a sua rota. O encalhe foi responsável pela interrupção do tráfego em um trajeto percorrido por cerca de 12% do comércio marítimo mundial.

A notícia do desencalhe foi vista com grande otimismo pelos analistas da J.P. Morgan, que já previam prejuízo no abastecimento da indústria global caso o navio permanecesse imobilizado no canal por mais tempo. O Ever Given transportava cerca de 18 mil contêineres e seu posicionamento ao encalhar impedia totalmente a rota dos navios na região.

O encalhe do Ever Given ocorreu logo após a embarcação deixar o Mar Vermelho, sendo atingida por rajadas de vento de 50 km/h. No entanto, o motivo do acidente segue em investigação. É possível que o navio tenha apresentado uma pane no sistema, que tenha ocorrido uma falha humana ou até mesmo que o imprevisto tenha sido consequência do excesso de velocidade.

O acidente do Ever Given no Canal de Suez serve como uma importante lição para os agentes de exportação e importação. Os prejuízos que esse tipo de desastre pode causar são imensos e, com os softwares adequados, é possível realizar predição de desvios e gerenciar mais adequadamente esses cenários, informando rápida e automaticamente todos os stakeholders. Por esse motivo, a e.Mix investe diariamente no desenvolvimento de softwares capazes de oferecer amplo controle dos processos de importação e exportação, garantindo mais segurança aos profissionais desse segmento.

Sobre a e.Mix

A e.Mix está há mais de anos no mercado de desenvolvimento de softwares para empresas de comércio exterior, construtoras, empresas de tecnologia, terminais alfandegários, telecomunicações, entre outros.
Nossos softwares gerenciam anualmente milhões de operações de clientes das mais variadas atividades e portes, aumentando a produtividade, assertividade e reduzindo custos.

Saiba mais sobre nossos softwares.

Cadastre-se para receber todos os artigos por e-mail em primeira mão

    Sugira um tema para publicarmos no blog

      Veja também
      Entreposto aduaneiro: O que é e como funciona e qual sua vigência?
      Entreposto aduaneiro: O que é e como funciona e qual sua vigência?

      De acordo com o Art. 404 do Regulamento Aduaneiro, o entreposto aduaneiro é definido como um regime especial que pode ser usado tanto na importação como na exportação. Ele serve para que as empresas possam armazenar suas mercadorias realizando a liberação junto à RFB com um prazo maior do que o habitual ou até efetuar a retirada das mercadorias de forma parcial. 

      Dessa maneira, o entreposto possibilita a suspensão dos impostos até que todas as etapas sejam finalizadas, no caso da importação e da exportação. Dependendo de cada caso, algumas das vantagens destes regimes estão na possibilidade de as empresas aprimorarem seus planejamentos logísticos e reduzirem os custos das operações. 

      Leia mais
      Purchase Order: o que é e qual seu papel na importação?
      Purchase Order: o que é e qual seu papel na importação?

      Basicamente, a purchase order na importação é o documento que inicia a formalização do processo de compra de um produto importado. É a autorização da compra ou a confirmação da encomenda pelo comprador. 

      O pedido de compra contém todas as informações pertinentes ao produto ou serviço que será entregue, e estabelece a relação comercial a partir da aceitação do fornecedor. 

      Leia mais
      Transporte Internacional Rodoviário para o Mercosul: quais as vantagens?
      Transporte Internacional Rodoviário para o Mercosul: quais as vantagens?

      A maior participação no Comércio Intrazona do Mercosul é a do Brasil, com cerca de 40%, vindo em seguida a Argentina com 30%, o Paraguai com 11% e o Uruguai com 8%. No momento atual, as exportações cresceram cerca de 16%, mantendo a expansão do comércio internacional fomentado pelo aumento da venda do trigo, do centeio, do arroz e do milho, fazendo com que as commodities continuem sendo o carro-chefe nas exportações nacionais. E a maior parte dos produtos transportados entre os países do bloco fazem uso do transporte internacional rodoviário.

      Leia mais