Pagamento Antecipado: Vantagens e Desvantagens

O Pagamento Antecipado (Cash in Advance) é aquele em que o importador efetua o pagamento antes da mercadoria ser embarcada pelo exportador. Por se tratar de um tipo de pagamento que elimina qualquer risco de o exportador de não receber o valor pelo produto vendido, essa modalidade acaba sendo uma das mais utilizadas dentro de uma negociação, já que é a mais segura e atraente aos olhos dele.

Pagamento Antecipado: Vantagens e Desvantagens

Pagamento Antecipado: Vantagens e Desvantagens

No mercado internacional há várias modalidades de pagamento que podem ser negociadas entre Importadores e Exportadores. Contudo, há uma modalidade que demanda total atenção, principalmente por parte do importador, que é o Pagamento Antecipado.

Neste artigo trataremos a respeito do Pagamento Antecipado, como fazer, quais os documentos necessários, além de suas vantagens e desvantagens.

Pagamento antecipado: O que é?

O Pagamento Antecipado (Cash in Advance) é aquele em que o importador efetua o pagamento antes da mercadoria ser embarcada pelo exportador. Por se tratar de um tipo de pagamento que elimina qualquer risco de o exportador de não receber o valor pelo produto vendido, essa modalidade acaba sendo uma das mais utilizadas dentro de uma negociação, já que é a mais segura e atraente aos olhos dele.

Muitas vezes, quando se trata de uma primeira compra, o exportador acaba por exigir do importador o pagamento 100% antecipado, uma vez que ainda não foi construída uma relação de confiança entre as partes.

Por outro lado, há exportadores que exigem apenas uma parcela de forma antecipada como um sinal de pagamento (Down Payment), que varia entre 10% e 30% do valor total da mercadoria. Pode haver também pagamentos parcelados antes do embarque da carga, de modo a financiar a sua produção.

Vale ressaltar que dependendo do exportador, mesmo que já exista essa relação de confiança com o seu cliente, no caso o importador, o pagamento antecipado sempre será exigido por se tratar de uma política interna da empresa que está exportando o produto.

Pagamento antecipado: Como fazer?

Todo e qualquer pagamento internacional envolve as moedas correntes do país do importador e do exportador. Para a efetivação do pagamento internacional antecipado será preciso realizá-lo através de uma operação de câmbio, mediante um Contrato de Câmbio, em que o importador brasileiro irá trocar os seus reais pela moeda do país do exportador para o pagamento do bem que será adquirido.

Ademais, essa transação deverá ser realizada através de uma instituição financeira autorizada a operar no mercado de câmbio pelo Banco Central do Brasil (BACEN).

Assim que o exportador receber o recurso iniciará a produção do bem ofertado. Ou, ainda, se o produto estiver disponível em seu estoque, providenciará o embarque de imediato, bem como a emissão dos documentos de exportação.

O importador terá até 180 dias após a contratação de câmbio para comprovar o efetivo desembaraço da mercadoria, informando o número da DI (Declaração de Importação) ou da DUIMP (Declaração Única de Importação) à corretora de câmbio.

Entretanto, se o embarque ou nacionalização da mercadoria não acontecer até a data informada na liquidação do contrato de câmbio, o importador deverá providenciar a repatriação dos valores correspondentes aos pagamentos antecipados efetuados no prazo de até 30 dias.

Documentos necessários

Para a realização do Pagamento Antecipado o importador precisará ter em mãos o contrato comercial assinado ou a Fatura Proforma (Proforma Invoice) emitida pelo Exportador. Tais documentos deverão conter todas as condições negociadas entre as partes, a saber:

  • quantidade e tipo da mercadoria;
  • preço da mercadoria;
  • local de entrega;
  • INCOTERMS (Termos Internacionais de Comércio);
  • data de embarque;
  • condições de pagamento;
  • dados bancários completo para pagamento;
  • e outros que porventura se façam necessários a depender da mercadoria.

Pagamento antecipado: Vantagens

Pode parecer que não, mas ainda há vantagens que podem ser consideradas pelo importador ao realizar um Pagamento Antecipado na importação.

Havendo uma estimativa de elevação no preço da mercadoria, no pagamento antecipado os riscos com essa variação são repassados ao exportador. Isso porque, ao receber os recursos antecipadamente, ele não poderá exigir do importador o aumento dos custos que houver entre o período de fabricação e embarque do produto.

A partir do momento em que é exigido pelo exportador um pagamento antecipado, o poder de negociação do importador aumenta, visto que ele pode conseguir um bom desconto no preço do produto e/ou até uma redução no prazo de entrega.

E apesar de o importador adiantar recursos, esta modalidade poderá ser ainda mais interessante quando há riscos de instabilidade cambial. Ou seja, nesse caso o importador também poderá reduzir custos com a transferência do risco cambial ao exportador.

Pagamento antecipado: Desvantagens

No quesito desvantagens relacionadas ao pagamento internacional na modalidade antecipada, elas não são irrelevantes.

Assumir riscos

Se por um lado o exportador exige o pagamento antecipado para evitar o risco do não pagamento por parte do importador, por outro lado, o importador acaba assumindo todos os riscos daí decorrentes.

Ele terá que lidar com uma possível falha ou até a não entrega do produto, além de comprometer o seu fluxo de caixa com o desembolso do capital para efetuar o pagamento pela mercadoria a ser adquirida.

Num cenário mais favorável, o exportador pode até cumprir com a entrega da mercadoria, no entanto, a partir do momento em que ele recebe os recursos, o importador pode ter que enfrentar atrasos no prazo de entrega, o que não é difícil de acontecer.

Além de atrasos ou até a não entrega do produto por parte do exportador, o importador poderá se deparar com o risco técnico ou de qualidade profissional. Risco este tão perigoso quanto a não entrega do produto.

Imagine ter que negociar com um exportador que não tem experiência suficiente para tratar de todos os elementos de um processo de exportação. Ou ainda, que vai entregar uma mercadoria em desconformidade com as especificações ou características negociadas, previstas no contrato comercial ou Fatura Proforma.

Portanto, o importador deve tomar certos cuidados para que os riscos assumidos em um pagamento antecipado possam ser amenizados, pois dificilmente ele conseguirá a devolução do capital transferido antecipadamente ao exportador.

Como se precaver?

Antes de mais nada, é preciso avaliar a idoneidade e as referências do exportador com quem se está negociando. Principalmente quando se trata de um primeiro contato, a fim de verificar e avaliar:

  • o comportamento dele e a sua seriedade no cumprimento do que foi acordado;
  • a sua capacidade de produção e entrega;
  • o seu histórico (performance);
  • a situação econômica do país exportador; e
  • as eventuais restrições governamentais que possam ser impostas pelo país do exportador sobre a mercadoria.

Além dessa análise prévia, quando em um pagamento antecipado, o importador poderá ter uma garantia maior ao contratar um serviço de inspeção pré-embarque da carga (pre-shipment inspection). Ou seja, uma inspeção realizada por meio de uma pessoa física ou jurídica especializada em inspeções de carga e sem qualquer vínculo com o exportador.

Essa inspeção deverá ser informada ao exportador no período das negociações e então ser realizada antes do embarque da mercadoria, na própria instalação do exportador.

Com o Analisador e.Mix você pode economizar tempo e dinheiro. Ele analisa DIs com mais de 100 itens, comparando com Invoices, documentos de Transporte e Sistemas da Receita Federal do Brasil (RFB) em apenas 45 segundos.

Você já conhece o Analisador e.Mix?

Já quis ter o relógio como seu melhor amigo? Agora você pode.

Com o Analisador e.Mix você pode economizar tempo e dinheiro. Ele analisa DIs com mais de 100 itens, comparando com Invoices, documentos de Transporte e Sistemas da Receita Federal do Brasil (RFB) em apenas 45 segundos.

Além disso, auxilia o importador no processo de análise lhe proporcionando ganhos significativos como:

  • diminuição expressiva no tempo de conferência da DI;
  • maior segurança na validação de todos os dados da DI;
  • mitigação de erros nos registros de DI;
  • redução drástica nas horas despendidas para as conferências;
  • redução de trabalhos repetitivos da equipe;
  • qualidade de vida dos colaboradores;
  • atividade 90% automatizada.

Entre em contato com a e.Mix e conheça este serviço inovador.

Cadastre-se para receber todos os artigos por e-mail em primeira mão

    Sugira um tema para publicarmos no blog

      Veja também
      Entreposto aduaneiro: O que é e como funciona e qual sua vigência?
      Entreposto aduaneiro: O que é e como funciona e qual sua vigência?

      De acordo com o Art. 404 do Regulamento Aduaneiro, o entreposto aduaneiro é definido como um regime especial que pode ser usado tanto na importação como na exportação. Ele serve para que as empresas possam armazenar suas mercadorias realizando a liberação junto à RFB com um prazo maior do que o habitual ou até efetuar a retirada das mercadorias de forma parcial. 

      Dessa maneira, o entreposto possibilita a suspensão dos impostos até que todas as etapas sejam finalizadas, no caso da importação e da exportação. Dependendo de cada caso, algumas das vantagens destes regimes estão na possibilidade de as empresas aprimorarem seus planejamentos logísticos e reduzirem os custos das operações. 

      Leia mais
      Purchase Order: o que é e qual seu papel na importação?
      Purchase Order: o que é e qual seu papel na importação?

      Basicamente, a purchase order na importação é o documento que inicia a formalização do processo de compra de um produto importado. É a autorização da compra ou a confirmação da encomenda pelo comprador. 

      O pedido de compra contém todas as informações pertinentes ao produto ou serviço que será entregue, e estabelece a relação comercial a partir da aceitação do fornecedor. 

      Leia mais
      Transporte Internacional Rodoviário para o Mercosul: quais as vantagens?
      Transporte Internacional Rodoviário para o Mercosul: quais as vantagens?

      A maior participação no Comércio Intrazona do Mercosul é a do Brasil, com cerca de 40%, vindo em seguida a Argentina com 30%, o Paraguai com 11% e o Uruguai com 8%. No momento atual, as exportações cresceram cerca de 16%, mantendo a expansão do comércio internacional fomentado pelo aumento da venda do trigo, do centeio, do arroz e do milho, fazendo com que as commodities continuem sendo o carro-chefe nas exportações nacionais. E a maior parte dos produtos transportados entre os países do bloco fazem uso do transporte internacional rodoviário.

      Leia mais