Saiba como o CCT aéreo irá alterar o processo de importações

Atualmente, cerca de 25% das cargas importadas que chegam ao Brasil são por meio do sistema aéreo. Todas essas operações têm sido gerenciadas pelo Siscomex […]

Saiba como o CCT aéreo irá alterar o processo de importações

Atualmente, cerca de 25% das cargas importadas que chegam ao Brasil são por meio do sistema aéreo. Todas essas operações têm sido gerenciadas pelo Siscomex Mantra durante anos, mas isso está prestes a mudar com a implantação do Controle de Carga e Trânsito (CCT) aéreo. No módulo aéreo, esse documento trará muitas vantagens, permitindo a redução de custos nas documentações necessárias para diversos processos das transportadoras. Além disso, a partir do módulo aéreo, a Receita Federal prevê uma drástica diminuição na incidência de indisponibilidades por meio do Gerenciamento de Riscos, que possibilitará também dados com maior qualidade.

Apesar de inicialmente esse sistema estar proposto para uma integração com a Declaração de Importação (DI), já está previsto que será integrado posteriormente à Declaração Única de Importação (DUIMP). Essa ação será de grande importância para oferecer mais controle dos processos aduaneiros, fornecendo também mais transparência sobre as operações do transporte.

O CCT aéreo apresenta vários benefícios às companhias, operadores e transportadores das mercadorias. Entre as facilidades que estarão disponíveis a esses setores, podemos citar uma redução de até 80% no tempo de liberação da carga aérea, a eliminação de diversas burocracias, a diminuição da intervenção manual e uma maior assertividade nos processos.

Tudo isso faz com que o importador tenha mais controle sobre as etapas da importação e seja capaz de desenvolver soluções para problemas com antecedência.

Uma das mudanças que requer muita atenção, no entanto, é o fato de que, a partir dessa modalidade, o agente de carga precisará fazer a manifestação do House, o que não era necessário com o uso do Mantra.

Apesar disso, com os softwares da e.Mix, que são facilmente integrados ao CCT, os importadores contam com todas as informações necessárias disponibilizadas de forma prática e em tempo real, agilizando diversos processos.

CCT e as soluções e.Mix

Conheça mais sobre o CCTNet.

Sobre a e.Mix

A e.Mix está há mais de  anos no mercado de desenvolvimento de softwares para empresas de comércio exterior. Nossos softwares gerenciam anualmente milhões de operações de clientes das mais variadas atividades e portes, aumentando a produtividade, assertividade e reduzindo custos.

Saiba mais sobre nossos softwares.

Cadastre-se para receber todos os artigos por e-mail em primeira mão

    Sugira um tema para publicarmos no blog

      Veja também
      Entreposto aduaneiro: O que é e como funciona e qual sua vigência?
      Entreposto aduaneiro: O que é e como funciona e qual sua vigência?

      De acordo com o Art. 404 do Regulamento Aduaneiro, o entreposto aduaneiro é definido como um regime especial que pode ser usado tanto na importação como na exportação. Ele serve para que as empresas possam armazenar suas mercadorias realizando a liberação junto à RFB com um prazo maior do que o habitual ou até efetuar a retirada das mercadorias de forma parcial. 

      Dessa maneira, o entreposto possibilita a suspensão dos impostos até que todas as etapas sejam finalizadas, no caso da importação e da exportação. Dependendo de cada caso, algumas das vantagens destes regimes estão na possibilidade de as empresas aprimorarem seus planejamentos logísticos e reduzirem os custos das operações. 

      Leia mais
      Purchase Order: o que é e qual seu papel na importação?
      Purchase Order: o que é e qual seu papel na importação?

      Basicamente, a purchase order na importação é o documento que inicia a formalização do processo de compra de um produto importado. É a autorização da compra ou a confirmação da encomenda pelo comprador. 

      O pedido de compra contém todas as informações pertinentes ao produto ou serviço que será entregue, e estabelece a relação comercial a partir da aceitação do fornecedor. 

      Leia mais
      Transporte Internacional Rodoviário para o Mercosul: quais as vantagens?
      Transporte Internacional Rodoviário para o Mercosul: quais as vantagens?

      A maior participação no Comércio Intrazona do Mercosul é a do Brasil, com cerca de 40%, vindo em seguida a Argentina com 30%, o Paraguai com 11% e o Uruguai com 8%. No momento atual, as exportações cresceram cerca de 16%, mantendo a expansão do comércio internacional fomentado pelo aumento da venda do trigo, do centeio, do arroz e do milho, fazendo com que as commodities continuem sendo o carro-chefe nas exportações nacionais. E a maior parte dos produtos transportados entre os países do bloco fazem uso do transporte internacional rodoviário.

      Leia mais