O que é CCT Importação e Exportação e como impacta nas operações?

As funcionalidades do CCT são, basicamente, o rastreio da carga e movimentação, em recintos, zonas primárias e/ou secundárias. Ações como recepção da carga, entrega da carga, consolidação, unitização e manifestação de dados do embarque também estarão disponíveis. Recentemente, o CCT também passou a englobar o modal aéreo.

O que é CCT Importação e Exportação e como impacta nas operações?

O que é o CCT Importação e Exportação e como vai impactar nas operações?

Uma das diretrizes do Portal Único, conhecida como Single Window, conta com a atuação direta da Secretaria de Comércio Exterior (SECEX) e da Receita Federal do Brasil (RFB) em uma agenda de modernização dos diversos sistemas e procedimentos, com o objetivo de uni-los e simplificar o Comércio Exterior brasileiro. Nesse sentido, o CCT (Controle de Carga e Trânsito) é apresentado como substituto do Mantra, do Mercante e do Siscarga, e proporcionará diversos benefícios, conforme veremos neste texto.

É possível notar que nos últimos anos a agenda do Comércio Exterior brasileiro tem se mostrado muito movimentada.

Certamente isso está acontecendo devido à celebração do Acordo de Facilitação do Comércio pelos países membros da OMC (Organização Mundial do Comércio), ocorrido em 2013, o qual previu uma série de direitos e obrigações e resultou na reforma de procedimentos aduaneiros com o intuito de modernizar a administração aduaneira e agilizar os procedimentos.

Além disso, houve a internalização da Convenção de Quioto Revisada, em 2019, que prevê semelhantes diretrizes, bem como a mais recente carta-convite da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico), cujas diretrizes prometem facilitação e desburocratização do comércio internacional para aqueles países que desejam ser membros, que é o caso do Brasil com o Portal Único.

O que é o módulo CCT

O módulo CCT (Controle de Carga e Trânsito) visa a integração dos modais aéreo, rodoviário e marítimo.

Seu objetivo é a substituição do Mantra (Sistema Integrado da Gerência do Manifesto, do Trânsito e do Armazenamento), do Mercante e do Siscarga (Siscomex Carga) para que todos os modais possam ter suas bases e serem acessados por um só local: o Portal Único.

Quais as funcionalidades do CCT?

As suas funcionalidades envolvem, basicamente, o rastreio da carga e movimentação, em recintos, zonas primárias e/ou secundárias.

Ações como recepção da carga, entrega da carga, consolidação, unitização e manifestação de dados do embarque também estarão disponíveis.

Na Exportação

Na exportação, em qualquer modal, os recintos, armadores e agentes de carga já têm utilizado o Portal Único para algumas etapas, graças à DU-E (Declaração Única de Exportação). No entanto, ainda é necessário acessar os sistemas “antigos” como o Mercante para concluir o processo.

Por exemplo, quando um recinto alfandegado – como um porto – recebe uma carga para exportação, no momento em que a carga entra no recinto ele deverá recepcionar as notas fiscais eletrônicas de exportação que compõem aquela(s) DU-E(s). Isso significa que ele informará à aduana brasileira que a carga está em recinto alfandegado.

Uma vez que essa DU-E esteja registrada, após o lançamento de todas as notas fiscais no Portal Único pelo recinto, ela é apresentada para despacho. Este é o momento da parametrização, na qual o canal verde permite o embarque direto da mercadoria.

Por outro lado, o transportador, seja uma companhia aérea ou um armador, de acordo com o Artigo 82 da Instrução Normativa nº 1702/2017 (que trata sobre os despachos com DU-E) tem até sete dias contados da data do embarque para manifestar os dados no módulo CCT.

Após este prazo, diante da inexistência de exigências fiscais, a DU-E será averbada. Com isso o exportador poderá apresentá-la ao banco para o fechamento de câmbio.

Na Importação (modal aéreo)

Na importação a mudança será na manifestação dos dados do embarque, que será feita de maneira eletrônica, estruturada e antecipada.

Outra alteração refere-se às informações que a companhia aérea prestava com relação às cargas transportadas por ela e pelos agentes de carga. No CCT cada um será responsável apenas por informar os seus dados: a companhia aérea apresenta os dados do Master Airway Bill (MAWB) e os agentes disponibilizam os dados do House Airway Bill (HAWB) em associação aos Masters.

Essas alterações visam atender ao Cargo XML IATA e eliminar o impacto das intervenções excessivas da RFB, conhecidas como “indisponibilidades do Mantra”, além de tornar desnecessário apresentar AWBs (Airway Bill) originais, valendo os documentos digitais.

O trabalho dos operadores aeroportuários também será facilitado, tendo em vista que a manifestação será antecipada, antes mesmo da chegada da aeronave.

Quais os benefícios do CCT

Os benefícios, além de atender à agenda de facilitação do comércio e modernizar os processos, possibilitam:

  • foco na eficiência e no fluxo das cargas;
  • informações antecipadas;
  • fluxo eficiente de informações;
  • eliminação de redundâncias;
  • digitalização dos processos;
  • simplificação das obrigações; e
  • aumento da segurança.

Para o modal aéreo as vantagens vão desde a possibilidade das companhias de unitizar, desunitizar e manifestar dados com antecedência de três horas da saída do voo, até operadores aeroportuários que poderão agilizar seus procedimentos e trabalhar juntamente com as transportadoras caso ocorram problemas de divergência de peso, por exemplo.

Quais os objetivos do CCT

Em suma, o seu objetivo é integrar sistemas que antes não tinham a mesma base de dados e tornar a informação mais rápida, coerente e segura, atendendo às diretrizes internacionais.

O que muda com o CCT?

A partir do CCT, o Mantra, o Mercante e o Siscarga (também chamado de Janela Única Aquaviária – uma evolução do Porto sem Papel) deixarão de existir.

Porém, será um desligamento progressivo: inicialmente o Mantra deverá ser afetado e posteriormente o Mercante e o Siscarga, já que envolvem o Ministério da Infraestrutura.

O que é preciso fazer para se adequar ao CCT?

Sem dúvida, o maior esforço tem sido dos órgãos anuentes para entender como integrar todas essas informações de maneira segura e acurada.

A aduana vem trabalhando principalmente com os operadores portuários e aeroportuários, companhias aéreas, marítimas e transportadoras para construírem e desenharem esse processo. Após concluído, ele exigirá atualização das empresas – despachantes ou importadores e exportadores – que utilizam os “antigos sistemas” integrados aos seus ERPs, a fim de atender este novo formato e manter a integração necessária.

Conheça mais sobre nossa solução para CCT.

Tenha tempo para o que realmente importa com a e.Mix

Está cansado de precisar acessar o Portal Único/Siscomex para checar se uma DU-E já averbou? Como mencionado anteriormente, na exportação só é possível realizar o fechamento de câmbio com uma DU-E averbada, e esse processo pode levar até sete dias. E quando você tem múltiplos embarques ocorrendo ao mesmo tempo, em diferentes modais e tempos?

Já imaginou deixar de conferir o canal verde e por um dia perder o primeiro período de armazenagem?

Por isso a e.Mix está aqui para agilizar o seu dia a dia e deixá-lo mais tranquilo, eliminando o excesso de conferências para que você possa trabalhar naqueles documentos complexos (como a Carta de Crédito) ou na negociação daquele Booking complicado.

Conheça os nossos softwares extremamente flexíveis e que transformam completamente a sua forma de trabalho.

Cadastre-se para receber todos os artigos por e-mail em primeira mão

    Sugira um tema para publicarmos no blog

      Veja também
      Como preparar sua empresa para auditorias aduaneiras
      Como preparar sua empresa para auditorias aduaneiras

      Auditorias aduaneiras são uma realidade inevitável para empresas envolvidas em atividades de importação e exportação. Estas inspeções são essenciais para garantir a conformidade com as […]

      Leia mais
      Entreposto aduaneiro: O que é e como funciona e qual sua vigência?
      Entreposto aduaneiro: O que é e como funciona e qual sua vigência?

      De acordo com o Art. 404 do Regulamento Aduaneiro, o entreposto aduaneiro é definido como um regime especial que pode ser usado tanto na importação como na exportação. Ele serve para que as empresas possam armazenar suas mercadorias realizando a liberação junto à RFB com um prazo maior do que o habitual ou até efetuar a retirada das mercadorias de forma parcial. 

      Dessa maneira, o entreposto possibilita a suspensão dos impostos até que todas as etapas sejam finalizadas, no caso da importação e da exportação. Dependendo de cada caso, algumas das vantagens destes regimes estão na possibilidade de as empresas aprimorarem seus planejamentos logísticos e reduzirem os custos das operações. 

      Leia mais
      Purchase Order: o que é e qual seu papel na importação?
      Purchase Order: o que é e qual seu papel na importação?

      Basicamente, a purchase order na importação é o documento que inicia a formalização do processo de compra de um produto importado. É a autorização da compra ou a confirmação da encomenda pelo comprador. 

      O pedido de compra contém todas as informações pertinentes ao produto ou serviço que será entregue, e estabelece a relação comercial a partir da aceitação do fornecedor. 

      Leia mais