O que é LPCO no comércio exterior e quais as mudanças?

Você que trabalha com comércio exterior com certeza já ouviu falar na sigla LPCO. Mas afinal, o que é LPCO? E como isso influencia o […]

O que é LPCO no comércio exterior e quais as mudanças?

Você que trabalha com comércio exterior com certeza já ouviu falar na sigla LPCO. Mas afinal, o que é LPCO? E como isso influencia o seu trabalho?

Isso e muito mais é o que você vai encontrar neste artigo.

O que é LPCO no comércio exterior?

Licenças, Permissões, Certificados e Outros Documentos: esse é o significado da sigla LPCO. Em síntese, é uma sigla que abrange os diversos procedimentos e licenciamentos pelos quais produtos importados ou exportados necessitam passar.

Com o objetivo de tornar os processos mais ágeis, assim como facilitar e melhorar o controle pelo qual os produtos são submetidos, os diversos processos existentes foram unificados nessa sigla.

Em uma importação, por exemplo, os licenciamentos de importação estão sendo viabilizados e concedidos por meio do Portal Único Siscomex (Sistema Integrado de Comércio Exterior). Embora o processo nesse estágio ainda não compreenda todos os órgãos anuentes, vários procedimentos já migraram e podem ser concedidos de forma mais rápida a partir do módulo LPCO.

No que se refere à exportação, dependendo do produto a ser despachado para fora do Brasil, há certas exigências e declarações que precisam ser remetidas. Essas declarações ou certificações são emitidas por órgãos como o MAPA (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento) ou a ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Sendo assim, esses documentos podem ser obtidos por meio da LPCO e vinculados à Declaração Única de Exportação (DU-E).

Assim, há a garantia de que a mercadoria será exportada com toda a documentação exigida internacionalmente, proporcionando maior agilidade em obter esses documentos, já que as informações se encontram centralizadas no módulo LPCO.

Por ter sido implementado antes, o módulo de exportação possui funcionalidades que ainda não abrangem totalmente o módulo de importação.

A LPCO e o Novo Processo de Importação

No entanto, ainda que tenha começado a ser aplicado depois, o Novo Processo de Importação (NPI) avança rapidamente em sua implementação. Com isso, a necessidade de saber o que é LCPO e como utilizá-la de forma correta se torna cada vez mais urgente.

Isso quer dizer que, com o passar do tempo, mais órgãos anuentes estarão com os seus sistemas integrados ao Siscomex e, como resultado, solicitações mediante órgãos como a ANVISA, por exemplo, se tornarão mais ágeis.

A intenção é a de que, ao final da implantação, todos os dados de uma carga estejam centralizados em um único local, ao qual todos os órgãos competentes tenham acesso. Isso permitirá a redução de papel e evitará duplicidade de registro dos dados do produto a serem importados.

E tudo isso resulta em celeridade, o que é muito bom para o importador que sofria com a demora e a burocracia às quais os processos de importação eram submetidos.

Quais as principais mudanças com a LPCO

Atuar no comércio exterior obriga você ser um profissional atento às constantes mudanças, tanto no âmbito das legislações e procedimentos, quanto no auxílio que as novas tecnologias proporcionam.

Nesse sentido, muita coisa muda entre o uso dos antigos procedimentos para aqueles em que se pode acessar com a LPCO. Então, além de entender o que é LPCO, é preciso saber o que muda no seu dia a dia ao utilizá-la.

Procedimentos de licenciamento de importação que, dependendo da NCM (Nomenclatura Comum do Mercosul) do produto, anteriormente eram enviados aos mais diversos setores e órgãos anuentes. Com o uso da LPCO poderão ser todos centralizados no sistema, independentemente de qual órgão seja responsável pela fiscalização.

É claro que como o sistema ainda está em fase de implementação, não são todos os licenciamentos que já podem ser realizados dessa forma.

LPCO de Ofício

Como a LPCO engloba uma diversidade muito grande de documentos e procedimentos, deve-se compreender a diferença entre os documentos que o próprio exportador ou importador pode ter acesso, como certificados ou financiamentos e os licenciamentos concedidos pelos órgãos anuentes.

Exemplo de órgão anuente

A LPCO de Ofício, por sua vez, demanda a necessidade de o órgão anuente analisar e deferir a solicitação do importador ou exportador.

A título de comparação, poderíamos dizer que, ao invés de um órgão anuente deferir uma Licença de Importação (LI) não automática, ele agora vai analisar e deferir, ou não, a LPCO de Ofício.

Uma LPCO para diversos embarques

Outra grande vantagem é o fato de que existe a possibilidade de a mesma LPCO ser utilizada em mais de um processo.

Ao contrário das habituais LIs, é possível que haja uma “sobra” na quantidade importada e a mesma licença ser utilizada em um embarque posterior. Sendo assim, caso o importador tenha uma LPCO para duzentas unidades de um mesmo produto, mas importe cento e cinquenta unidades, ele poderá utilizar a mesma LPCO em um segundo embarque para trazer o saldo da quantidade.

Comunicação centralizada com órgãos anuentes

Conhecer o que é LPCO esclarece que um dos objetivos principais desse sistema é dar agilidade aos processos de importação e exportação. Mas outro principal propósito é centralizar as informações.

Ou seja, manter em um mesmo ambiente todas as informações necessárias dos produtos a serem importados ou exportados. Assim, todos os órgãos anuentes têm acesso a essas informações, de forma única e centralizada.

Também possibilita uma melhor fiscalização do que entra e sai do país de forma mais confiável e evitando fraudes ou irregularidades.

A LPCO é um avanço no comércio exterior

E então, o que é LPCO? É a forma que o Governo Federal encontrou para unificar todas as informações a respeito dos produtos importados ou exportados. E com isso a Receita Federal do Brasil (RFB) busca gerar uma base de dados única e completa.

Esse é um dos maiores avanços que o comércio exterior obteve, uma vez que todo o processo se torna mais ágil e menos redundante. Logo, impacta em um custo menor aos importadores e exportadores.

Além disso, pelo fato do sistema LPCO ser integrado tanto à Declaração Única de Exportação (DU-E) quanto à Declaração Única de Importação (DUIMP), torna a fiscalização mais uniforme e assertiva, seja por parte da RFB ou de outro órgão anuente.

Por isso, com todos os sistemas integrados e “conversando” entre si, evita a duplicidade de informação e ainda auxilia a fiscalização a cumprir seu objetivo de evitar a ocorrência de fraudes ou delitos no processo de importação ou exportação de uma mercadoria.

Essas mudanças vão de encontro ao mundo moderno e tecnológico no qual estamos cada vez mais inseridos. Afinal, a tecnologia é uma aliada e todas essas alterações, tanto as que já ocorreram quanto as que ainda acontecerão, têm a intenção de trazer mais modernidade e credibilidade a todo o processo.

Cadastre-se para receber todos os artigos por e-mail em primeira mão

    Sugira um tema para publicarmos no blog

      Veja também
      Como preparar sua empresa para auditorias aduaneiras
      Como preparar sua empresa para auditorias aduaneiras

      Auditorias aduaneiras são uma realidade inevitável para empresas envolvidas em atividades de importação e exportação. Estas inspeções são essenciais para garantir a conformidade com as […]

      Leia mais
      Entreposto aduaneiro: O que é e como funciona e qual sua vigência?
      Entreposto aduaneiro: O que é e como funciona e qual sua vigência?

      De acordo com o Art. 404 do Regulamento Aduaneiro, o entreposto aduaneiro é definido como um regime especial que pode ser usado tanto na importação como na exportação. Ele serve para que as empresas possam armazenar suas mercadorias realizando a liberação junto à RFB com um prazo maior do que o habitual ou até efetuar a retirada das mercadorias de forma parcial. 

      Dessa maneira, o entreposto possibilita a suspensão dos impostos até que todas as etapas sejam finalizadas, no caso da importação e da exportação. Dependendo de cada caso, algumas das vantagens destes regimes estão na possibilidade de as empresas aprimorarem seus planejamentos logísticos e reduzirem os custos das operações. 

      Leia mais
      Purchase Order: o que é e qual seu papel na importação?
      Purchase Order: o que é e qual seu papel na importação?

      Basicamente, a purchase order na importação é o documento que inicia a formalização do processo de compra de um produto importado. É a autorização da compra ou a confirmação da encomenda pelo comprador. 

      O pedido de compra contém todas as informações pertinentes ao produto ou serviço que será entregue, e estabelece a relação comercial a partir da aceitação do fornecedor. 

      Leia mais