DU-E: como elaborar a Declaração Única de Exportação?

A Declaração Única de Exportação, ou somente DU-E, é o documento que substituiu a antiga Declaração de Despacho de Exportação (DDE) e Registro de Exportação (RE). É emitida de maneira eletrônica pelo portal do Siscomex e contém informações advindas da nota fiscal de exportação. Possui funções fiscal, comercial e financeira em relação à mercadoria que está passando pelo processo de despacho aduaneiro. É necessária para o controle aduaneiro da Receita Federal, portanto, as empresas exportadoras devem se responsabilizar pela emissão dela. Existe apenas um tipo de DU-E, mas dependendo das particularidades do processo alguns itens podem variar de uma exportação para a outra.

DU-E: como elaborar a Declaração Única de Exportação?

DU-E: como elaborar a declaração?

A exportação de mercadorias do Brasil para outros países exige a elaboração de muitos documentos – a DU-E (Declaração Única de Exportação) é um deles.

A implementação da Declaração Única de Exportação que aconteceu em 2017 foi um importante passo na desburocratização do Comércio Exterior brasileiro.

Ainda há um longo caminho a ser percorrido, mas pode-se dizer que tal documento é resultado de esforços para otimizar o processo de despacho aduaneiro.

Certamente a DU-E é indispensável para qualquer empresa que realizará uma exportação e todos os seus dados devem estar de acordo com o restante da documentação e a carga.

Por isso, nesse texto vamos falar sobre o passo a passo para emissão da DU-E no Portal Único Siscomex.

O que é a DU-E?

A Declaração Única de Exportação, ou somente DU-E, é o documento que substituiu a antiga Declaração de Despacho de Exportação (DDE) e Registro de Exportação (RE).

É emitida de maneira eletrônica pelo portal do Siscomex e contém informações advindas da nota fiscal de exportação.

Possui funções fiscal, comercial e financeira em relação à mercadoria que está passando pelo processo de despacho aduaneiro.

É necessária para o controle aduaneiro da Receita Federal, portanto, as empresas exportadoras devem se responsabilizar pela emissão dela.

Existe apenas um tipo de DU-E, mas dependendo das particularidades do processo alguns itens podem variar de uma exportação para a outra.

Relação da DU-E e o Despacho de Exportação

A DU-E se tornou a base do despacho aduaneiro, por isso, podemos dizer que sua utilização otimizou o tempo e serviço de quem a produz, visto que antes eram produzidos dois documentos.

No processo antigo havia a necessidade de registrar as particularidades cambiais, comerciais e fiscais no chamado Registro de Exportação, mas depois era gerada a Declaração de Exportação que continha as questões aduaneiras do processo.

Atualmente a DU-E reúne essas informações em um só documento que pode ser gerado de forma mais  rápida e prática no Siscomex.

Quem emite a DU-E?

A DU-E pode ser emitida pelo próprio exportador ou por um representante legal da empresa, como o despachante aduaneiro.

Portanto, também é necessário que o declarante tenha um Certificado Digital para acessar o portal do Siscomex.

Normalmente, todos os documentos do processo de exportação são conectados uns aos outros, contendo diversas informações em comum.

Por isso, é importante que o profissional responsável pela produção da DU-E conheça do embarque como um todo.

Sendo a DU-E um dos documentos finais da exportação é preciso estar atento para que não haja dados divergentes da Invoice, Certificados e Packing List, por exemplo.

Como elaborar a Declaração Única de Exportação (DU-E)?

Para elaborar a DU-E o responsável deve primeiramente acessar o Portal Único Siscomex.

Nele devem ser selecionadas as seguintes opções: “Importador/ Exportador/ Despachante”. Para dar sequência, deve ser utilizado o certificado digital.

Informações gerais

Logo depois seleciona-se “Exportação”, “DU-E” e ”Elaboração”, o operador será direcionado para a aba de informações gerais, na qual é possível realizar edições.

Já na primeira etapa de produção do documento devem aparecer os dados do exportador, sendo o principal o CNPJ da empresa negociante.

Da mesma forma, deve ficar claro se a exportação está sendo feita  “por conta própria“, “por conta e ordem de terceiros” ou “por operador de remessa postal ou expressa”.

É preciso selecionar se há alguma situação especial no despacho, podendo ser: “DU-E a posteriori”, “Embarque antecipado”, “Exportação sem saída da mercadoria do país” ou “Nenhuma”.

O Embarque antecipado pode acontecer quando não se tem certeza da quantidade exata da mercadoria que será embarcada.

Isso pode se dar principalmente com produtos da agroindústria, da mineração, da siderurgia e outros, principalmente se forem a granel.

A DU-E a posteriori se enquadra nos casos em que o despacho aduaneiro ocorre apenas depois que a mercadoria sai do país. Podem ser os produtos que são utilizados na própria embarcação, como o combustível.

Já a exportação sem saída de mercadoria do país é aquela em que o exportador vende o produto para o exterior, no entanto ela permanece no Brasil por questões comerciais.

Essa situação ocorre quando o comprador revende o produto para outra empresa brasileira.

Também se preenche a Referência Única de Exportação (RUC), moeda de negociação, recinto em que a mercadoria se encontra, onde será embarcada e onde ocorrerá o despacho.

Nota fiscal

Na aba de nota fiscal deve ser explicitado se serão utilizadas notas fiscais e quais os números delas em caso afirmativo.

Em seguida os itens serão preenchidos a partir do arquivo xml da nota de exportação emitida pelo vendedor.

Há algumas maneiras de emitir a nota, uma delas é por meio dos sistemas disponibilizados pela Receita Federal do Brasil.

Detalhamento dos itens

No detalhamento dos itens serão preenchidas informações como a quantidade, peso, CFOP (Código Fiscal de Operações e de Prestações), descrição da mercadoria, NCM (Nomenclatura comum do Mercosul) e outros.

Existe ainda um campo de descrição complementar da DU-E no qual pode-se complementar a descrição que foi feita na nota fiscal, caso esta não seja suficiente para identificar a mercadoria em questão para a exportação.

Além da elaboração, o sistema pode ser utilizado para consulta da DU-E e até a sua exclusão, caso seja necessário.

A própria aba de consultas é utilizada para gerar o pdf do documento, basta digitar o número da DU-E.

Ao seguir tais passos, o seguinte documento será gerado:

Há também a possibilidade de se fazer a DU-E sem a importação da nota fiscal no Portal Único Siscomex. Dessa maneira, todas as informações devem ser preenchidas pelo responsável pela emissão do documento.

Controle a DU-E e demais documentos da exportação com a e.Mix

Agora que você já conhece melhor a DU-E entende o quanto é importante emiti-la de maneira correta em uma exportação.

Não se deixe ser pego de surpresa por erros que atrapalhem o andamento da sua operação.

Os softwares da e.Mix ajudam sua empresa a manter todos os dados da transação estrategicamente organizados.

Com nossas ferramentas buscamos tornar mais simples e mais fáceis os processos de exportação e importação. Por meio da inteligência artificial, realizamos análises de dados, mitigamos erros, otimizamos seu tempo e prevenimos multas.

Oferecemos soluções personalizadas que se adequem à rotina e aos objetivos da sua equipe. Para mais informações entre em contato conosco pelo chat ou WhatsApp.

Cadastre-se para receber todos os artigos por e-mail em primeira mão

    Sugira um tema para publicarmos no blog

      Veja também
      Como preparar sua empresa para auditorias aduaneiras
      Como preparar sua empresa para auditorias aduaneiras

      Auditorias aduaneiras são uma realidade inevitável para empresas envolvidas em atividades de importação e exportação. Estas inspeções são essenciais para garantir a conformidade com as […]

      Leia mais
      Entreposto aduaneiro: O que é e como funciona e qual sua vigência?
      Entreposto aduaneiro: O que é e como funciona e qual sua vigência?

      De acordo com o Art. 404 do Regulamento Aduaneiro, o entreposto aduaneiro é definido como um regime especial que pode ser usado tanto na importação como na exportação. Ele serve para que as empresas possam armazenar suas mercadorias realizando a liberação junto à RFB com um prazo maior do que o habitual ou até efetuar a retirada das mercadorias de forma parcial. 

      Dessa maneira, o entreposto possibilita a suspensão dos impostos até que todas as etapas sejam finalizadas, no caso da importação e da exportação. Dependendo de cada caso, algumas das vantagens destes regimes estão na possibilidade de as empresas aprimorarem seus planejamentos logísticos e reduzirem os custos das operações. 

      Leia mais
      Purchase Order: o que é e qual seu papel na importação?
      Purchase Order: o que é e qual seu papel na importação?

      Basicamente, a purchase order na importação é o documento que inicia a formalização do processo de compra de um produto importado. É a autorização da compra ou a confirmação da encomenda pelo comprador. 

      O pedido de compra contém todas as informações pertinentes ao produto ou serviço que será entregue, e estabelece a relação comercial a partir da aceitação do fornecedor. 

      Leia mais